10 de dezembro de 2009

Pois é...

Pois é... Engraçado como tem notícia que a gente não vê nos jornais brasileiros.

Quem não se lembra do estardalhaço promovido pela nossa mídia e demais corneteiros de plantão quando uma certa patrícia picareta simulou um ataque de skinheads na Suíça? Os jornais falaram em discriminação, em xenofobia, proferiram nossos bordões ufanistas mais batidos e toda a sorte de bravatas vazias para que nos sentíssemos vitimados pelas injustiças do mundo civilizado - até que se descobriu que tudo não passava de armação, e aí então ninguém mais tocou no assunto. Simples assim. Como se nada houvesse acontecido.

Mas basta a presepada ser nossa que os nossos jornais simplesmente ignoram o assunto. Como parecem ter ignorado por completo a prisão, a meu ver, injusta, de três franceses no último domingo em São Paulo.

Depois de gastarem suas economias viajando pelo Brasil, três turistas franceses terminaram a viagem detidos em São Paulo após um incidente ocorrido, ainda em solo, no interior de um avião da TAM. Os três passageiros, dois homens e uma mulher (com 63, 60 e 54 anos de idade respectivamente), embarcaram no domingo com aproximadamente outros 20 turistas, na maioria aposentados franceses, para retornarem à França. Porém, após o embarque, o avião ficou em solo por aproximadamente três horas devido a um problema técnico.

Segundo a Sra. Camus (a passageira francesa detida) relatou à AFP, o anúncio de que o avião apresentava uma pane no sistema de informática aterrorizou os franceses, que ainda têm na memória a tragédia com o vôo Rio-Paris da Air France, ocorrido em junho deste ano - sim, a imprensa francesa segue acompanhando o caso. Foi então que, impaciente pelo longo atraso e temendo pelas condições de segurança da aeronave, ela e outros passageiros pediram à tripulação para que trocassem de avião. Em resposta, um dos comissários disse que se eles quisessem trocar de avião, que desembolsassem mais algumas centenas de euros e comprassem outro bilhete. Foi então que a discussão se alastrou com a revolta de outros passageiros e culminou com a prisão de três turistas.

Segundo o cônsul geral da França, Sylvain Itte, os depoimentos da tripulação mencionavam ‘rebelião’ e ‘tentativa de invasão do cockpit’. Esta manhã, em entrevista à rádio francesa RTL, uma testemunha disse que o primeiro passageiro a ser preso, o Sr. Michel Illiskas, foi arrastado com truculência de uma ponta a outra do corredor até ser retirado da aeronave.

A Sra. Camus foi acusada de incitação à violência, sendo detida em seguida com outro passageiro, suspeito de ter encorajado o tumulto. Um casal de brasileiros que filmou o episódio também foi preso pela polícia, mas ambos foram liberados na terça-feira.

O caso gerou ainda um desconforto diplomático. Mesmo tendo abusado da paciência dos passageiros por conta do atraso, a TAM acusa os três franceses pelo atraso e posterior cancelamento do vôo, e ameaça processá-los por perdas e danos. Por sua vez, o consulado francês diz não ter sido informado oficialmente dessas acusações.

Assim como as autoridades brasileiras também não informaram o consulado francês sobre a ocorrência, o que impediu que qualquer ação de suporte diplomático aos três franceses fosse tomada. Segundo Sylvain Itte explicou à AFP, ocorreram pelo menos duas violações da Convenção de Viena sobre os procedimentos de prisão de cidadãos estrangeiros. A prisão só foi informada às autoridades francesas graças a um pedido de ajuda feito pelo filho do Sr. Illinskas à polícia de Paris por telefone.

Agora proponho que façamos um pequeno exercício de reflexão e subversão da realidade. Vamos inverter os papéis dessa história: imaginemos três turistas brasileiros sendo presos nessas condições em um avião da Air France em Paris. Imaginou o tamanho da "comoção nacional"? Pois é...

O que alguns chamam de ‘rebelião’ eu conheço por ‘legítimo exercício do direito à vida e à segurança’.

Para saber mais, leia a notícia na íntegra no jornal Le Parisien.

6 comentários:

Giordanno disse...

Concordo plenamente!

Anônimo disse...

Estou em contato com o pessoal. Realmente a reação da TAM foi exagerada. Não soube informar direito os passageiros e ninguém da tripulação falava francês – e isso em um vôo para Paris. A passageira que foi presa fazia apenas a tradução. Vale falar que não eram apenas 3 pessoas querendo sair do avião, mas pelo menos umas 20. A ação policial por mal-entendimento com o comandante da tripulação fez de um cristal de neve uma avalanche ! Resultado: a TAM consegue fazer de 3 aposentados, 3 terroristas ! Viaje seguro com a TAM.

Anônimo disse...

Isso aqui é apenas a TAM tentando por a culpa do atraso de voo em 5 passageiros. Quando na verdade ja tinha pasado 3:30 de atraso e mais do que 30 pessoas queriam sair do avião. Nao deram nem agua e nem comida... A incompetencia da TAM foi incrivel, não soube lidar com uma situacão dessas!! Nao eram três passageiros mas sim cinco; contando com um casal de brasileiros que não fez nada alem de gravar a situacão com um iphone. Passar cinco dias na prisão aqui em São Paulo ja não é facil pra um bandido, agora imagina para alguem de 63, inocente e com 28 outros loucos numa cela.

Tentativa de invasão do cockpit??? Vai mentir para outro....
Pergunta pra eles se alguem alem dos Tam Tam viram isso!!!!

Claro que isso não sai na midia nacional né...mas vai sair eu te garanto.

Anônimo disse...

Por esse e outros motivos não vôo de TAM há quase 10 anos. É o pior atendimento, o preço mais alto, a cia que mais atrasa. Sinceramente, não entendo porque qualquer brasileiro voa de TAM quando temos tantas opções hoje em dia.

Fabio disse...

Belas palavras de todos, mas eu tenho plena certeza que se isso acontecesse conosco brasileiros, latinos lá, teria sido talvez pior. Em relação ao pagamento de uma outra passagem, foi uma cobrança totamente justa porque por SEGURANÇA dos passageiros é que a aeronave foi repadara, em questão da língua falada dentro da aeronave é padrão falar a língua da cia e o inglês que é uma língua mundial, ou vocês acham que lá só tinham brasileiros e Francês. Agora é engraçado q qdo vamos para os EUA, temos que falar inglês pra não morrer de fome, qdo vamos para o Japão temos que falar em japônes para andar pelas ruas e nos comunicar, e qdo os mesmos estão no Brasil é nosso obrigação falar a língua deles?

agent de bord disse...

vive le france au Brasil!
Portal Meio Aéreo