27 de setembro de 2012

Sur le miel de Paris

E eis que de tempos em tempos é chegada a tão esperada hora da colheita do mel sobre os tetos de Paris.

Há alguns anos essa bela iniciativa tomou forma quando as primeiras colmeias foram instaladas sobre os telhados da Opéra e do Grand Palais. O enorme sucesso conquistado pelo sabor e pureza do mel parisiense levou outras empresas a aderirem à ideia, como a Louis Vuitton, os charmosos hotéis Westin e Scribe, a rede de supermercados Monoprix e o estrelado restaurante La Tour d’Argent - só para citar alguns exemplos.

Por mais inusitada que possa parecer a imagem de apiários espalhados pela área urbana da cidade, o mel parisiense tem mostrado um grau de qualidade singular. Graças a fartura de flores que se fazem notar nas inúmeras floreiras que ornamentam as janelas e sacadas dos edifícios, na extensa área verde que cobre as diversas praças e parques públicos da cidade e da proximidade com bosques preservados, as abelhas contam com um verdadeiro banquete a sua disposição - e tudo sem o risco da temida contaminação por pesticidas. Soma-se a isso o fato da cidade ter baixo índice de poluição e das colmeias estarem situadas acima do nível das árvores, cujas copas se encarregam de filtrar o ar.


Janelas floridas: elemento marcante da vida cotidiana parisiense.

O Monorpix, por exemplo, instalou recentemente 18 colméias nos telhados das suas unidades localizadas na avenue des Ternes e em Porte de Châtillon. O mel é produzido de forma totalmente artesanal, sendo envasados manualmente e vendido em 7 supermercados da rede instalados na cidade (Ternes, Porte de Châtillon, Rue du Bac, Champs Elysées, Montparnasse, Saint-Michel e Opéra), garantindo a pureza do produto, o controle de procedência e a diminuição de gastos com transporte e demais despesas operacionais de distribuição.

Os hotéis Westin e Scribe além de venderem o mel e a geléia real produzidos sobre seus telhados, ainda têm parte de suas colheitas revertidas para o próprio serviço de hotelaria - como ingrediente usado nas cozinhas de seus restaurantes e na fabricação de cosméticos 100% naturais usados nas sessões de cuidados pessoais de seus spas.

O 'mel com griffe' produzido no Hotel Scribe de Paris

Já a Louis Vuitton, que cultiva mel em seu telhado desde 2009, não tem nenhum interesse em explorar comercialmente sua produção. O cobiçado mel La Belle Jardinière é oferecido como presente a amigos e clientes da marca como forma de sensibilizar colaboradores e parceiros sobre a importância da preservação da biodiversidade.


O mel sendo coletado na Opéra de Paris.

E se a grande quantidade de flores presentes na cidade tem ajudado as abelhas parisienses a produzirem o mel num volume muito acima da média, a variedade de flores por sua vez tem se encarregado de conferir sabores inusitados ao mel de Paris - as colmeias cultivadas no Tour d’Argent, por exemplo, costumam produzir mel com notas de lavanda e menta. Já as colmeias localizadas nas imediações da avenues des Champs-Elysées produzem mel cítrico.


Um anúncio do mel produzido e comercializado pelos supermercados Monoprix

Mas não podemos nos esquecer de que parte do sucesso dessa experiência se deve ao engajamento da prefeitura de Paris ao projeto. Através do acompanhamento efetivo, a prefeitura evita o risco de eventuais desequilíbrios ambientais. A prefeitura limitou em 700 o número máximo de colmeias na cidade, além de regulamentar a distância mínima a ser respeitada entre elas. Hoje existem aproximadamente 350 colmeias produzindo mel sobre os poéticos tetos de Paris.

4 comentários:

Sara disse...

Não sabia desse costume Parisino, que legal!! adoro mel e gosto quando acompanham carnes suínas, sempre peço isso quando vou aos restaurantes em jardins

Unknown disse...

adorei a curiosidade!

Giselle Gurgel disse...

Adorei descobrir seu blog - e fazer o download do mapa do metrô. Em duas semanas vou ser uma guia meio fajuta de Paris, mostrando a cidade pela primeira vez à minha irmã e meu cunhado. Espero conseguir!

Sobre o mel, tenho a sorte de consumir um mel caseiro aqui na Alemanha, extraído pela minha cunhada de suas abelhinhas, sorte não?

Ðú® disse...

Muito interessante. Fiquei encantada.