1 de novembro de 2012

O curioso caso do Henri IV

O rei da França Henri IV (ou Henrique IV para os lusófonos) foi um personagem histórico cuja vida - e a morte - fora marcada por passagens bem curiosas. A mais estranha delas é a de que talvez ele tenha sido o único rei da França que perdeu a cabeça sem ter passado pela guilhotina. Vamos ao caso...

Em 14 de maio de 1610 o Rei da França Henri IV foi assassinado a facadas pelo professor - e extremista religioso - François Ravaillac diante do número 10 da rue de la Ferronnerie. A propósito, é nessa rua curtinha do 1° arrondissement que se situa um dos imóveis mais longos de Paris, um edifício construído entre os anos de 1669 e 1678 que ocupa os números 2, 4, 6, 8, 10, 12 e 14. Essa rua é bem antiga e até 1229 chamava-se rue des Charrons. O local exato do assassinato de Henri IV foi marcado com uma placa com o emblema real instalada no piso e pode ser vista ainda hoje por quem passa por ali.

Se ficasse no Brasil o edifício da rue de la Ferronnerie talvez fosse apelidado de 'O Compridão'.
 
O brasão real em memória de Henri IV marca o local da morte do rei.

O corpo de Henri IV foi sepultado no mausoléu real da basílica de Saint-Denis - onde estão enterrados mais de 70 reis da França. Porém, em 1793 a basílica foi saqueada pelos revolucionários e o túmulo de Henri IV profanado. A cabeça do corpo embalsamado do rei foi retirada na confusão e ficou perdida durante anos. Tempos depois, uma cabeça embalsamada atribuída a Henri IV começou a passar pelas mãos de diversos colecionadores, sem que ninguém soubesse ao certo se, de fato, era ou não a cabeça perdida do rei.

A estátua eqüestre de Henri IV ornamenta a Pont Neuf.

Foi só em janeiro de 2010 que o jornalista francês Stephane Gabet, depois de muita pesquisa, localizou a tal cabeça no sótão do aposentado Jacques Ballanger. Segundo Gabet, a cabeça havia sido arrematada por um casal num leilão em meados de 1900, passando em 1955 para as mãos de Jacques Bellanger. Gabet encaminhou então a cabeça para o médico forense Philippe Charlier do hospital da Universidade Raymond Poincaré em Garches. Através uma série de testes, o médico acabou confirmando que a cabeça era mesmo de Henri IV. Em 2011, a cabeça real voltou então à basílica de Saint-Denis para, finalmente, repousar junto ao seu corpo.

Morada eterna dos reis: o túmulo do Vert Galant na basílica de Saint-Denis.

O Vert Galant, como era conhecido Henri IV, teve 6 filhos legítimos (dentre os quais o rei Louis XIII) e outros 12 (!) ilegítimos. Para que conste, Vert Galant é o termo em francês usado para designar os tiozões que, apesar da idade, têm ímpeto aventureiro ou demonstram notável ousadia com as mulheres.

Rue de la Ferronnerie
Metrô: Châtelet linhas 1, 7, 11 e 14 ou Les Halles linha 4

Basílica de Saint-Denis
Metrô: Saint-Denis linha 13

"Paris vale bem uma missa." - Henri IV, 1593

6 comentários:

Brie com Goiabada disse...

Jackson, muito bacana esta curiosidade, eu desconhecia o episódio da morte dele. Ótima postagem.
Abraços
Fabiola

ilma disse...

Adoro saber desses detalhes. Parabéns pelo blog.
Abçs
Ilma

Recicloartebllogspot.blogspot.com disse...

Gostei muito,excelente conteúdo. Parabéns pelo blog.
Abraços,
Margareth

Brooks Thaty disse...

Adorei o blog, excelente, maravilhoso conteúdo!

RICA ALMADA disse...

Passei para agradecer a linda visita e seu comentário. Muito feliz pela tua presença e mais ainda por estar aqui, e tornar-me sua seguidora. Volte! Abraços iluminados...

Giuliana disse...

Adorei o blog!
Foi totalmente um achado que já está na minha lista de favoritos!
Me mudo em poucos dias para Paris e pretendo aproveitar cada dica daqui!