28 de novembro de 2009

Place du Châtelet

Seja turista ou parisiense nato, qualquer pessoa que se aventure pelas ruas de Paris acaba hora ou outra passando pela Place du Châtelet.

Lugar incontornável graças à sua localização central privilegiada, é na Place du Châtelet onde se cruzam os eixos viários norte-sul e leste-oeste de Paris, representando para a cidade quase que a própria definição do termo “ponto de encontro”.

Mas além das ruas, a Place du Châtelet também conecta pessoas, através das diversas linhas do metrô que são interligadas em seus subterrâneos, dos tradicionais cafés parisienses que ornamentam o seu entorno e do majestoso Theatre du Châtelet - uma das mais respeitadas casas de espetáculos de Paris. E como se ainda precisasse de um toque a mais de charme, tudo isso fica às margens do Sena, na entrada da Pont au Change.

Vista noturna por sobre as caixas dos bouquinistes: à direita a Place du Châtelet, à esquerda a Pont au Change iluminada sobre o Sena. Extrato de foto panorâmica de Arnaud Fisch de 2003.

Mas apesar de tanta gente que passa diariamente por ali, do parisiense que caminha apressado de sanduiche na mão ao turista que pulsa de contentamento por estar fluindo pelo coração da cidade, são poucos os que conhecem a história dessa praça e o significado de seu nome. Ficou curioso Joãozinho? Calma, o Viver Paris conta um pouquinho dessa história pra você...

Belas babonas: as esfinges que guardam a Fontaine du Palmier - criada para exaltar as glórias napoleônicas - fazem alusão às campanhas de Bonaparte no Egito e ornamentam a Place du Châtelet.

A Place do Châtelet fica no exato ponto onde antigamente (e bota antigamente nisso) havia o Grand Châtelet - uma fortificação construída para guardar a entrada da Pont au Change, e que foi completamente destruída em 1808, durante o império napoleônico. Na verdade existiam duas fotificações: o Petit Châtelet, que protegia o acesso ao Petit Pont, e o Grand Châtelet. Naquela época a Pont au Change ainda se chamava Grand Pont, mas apesar de ficarem no mesmo lugar, a ponte que conhecemos hoje foi construída somente no século XIX.

A noite a Place du Châtelet se ilumina ao lado do Théâtre du Châtelet, o teatro charmosão que abriga grandes espetáculos desde 1868.

Diz a lenda que a construção das primeiras versões desses “castelinhos” foi obra de um dos imperadores romanos, Júlio César ou Juliano - não se sabe bem qual deles - quando a localidade que se tornaria Paris ainda era conhecida por Lutèce. Essas fortalezas foram inicialmente construídas em madeira, sendo reerguidas em pedra somente após um ataque (felizmente sem êxito) dos normandos em 886.

Do outro lado do rio, entre as árvores: a Colonne du Châtelet, a Tour Saint-Jacques, o Théâtre du Chatelet, a Pont au Change... Ici c'est Paris!

Quando o rei dos Francos, Filipe Augusto (1165-1223), começou a expandir o perímetro de Paris, essas fortalezas acabaram sendo engolidas pela cidade, tornando-se inúteis para a defesa do que quer que fosse, e foi assim que o Grand Châtelet acabou sendo usado como sede da jurisdição da polícia da época - que além de garantir a ordem se encarregava de fazer cumprir a justiça criminal à moda da época. A Cour du Châtelet, no interior do castelo, passou então a abrigar prisões e salas de tortura.

Na gravura de Dupré, do livro 'Histoire de Paris' (J.A. Delaure e Gabriel Roux, 1853), uma imagem da entrada do Grand Châtelet, demolido a pedido de Napoleão Bonaparte em 1808.

Mas durante o reinado de Saint Louis o Grand Châtelet foi reformado e ampliado, passando a servir de habitação para os condes de Paris até o fim do século XII.

Se é bonita? A Place du Châtelet é uma verdadeira pintura, Joãozinho! Tanto que inspirou diversos artistas, como Antoine Blanchard (1910-1988) na obra 'Le Châtelet'.

E quem passa hoje pela Place du Châtelet mal consegue acreditar que bem ali aconteceram episódios históricos sangrentos: em junho de 1418, durante a guerra civil contra os Armagnacs, os Borguinhões cercaram o Grand Châtelet, massacrando todos os mais de 4000 Armagnacs que ali estavam presos. Em setembro de 1792, outra época, outro contexto, outra matança de presos - desta vez, entrando para a história como um dos episódios mais sombrios da Revolução Francesa.

O quê? Mas já cansou de andar?! Êita... Então faça uma pausa para bebericar um 'petit café' apreciando a vista da Place du Châtelet. Na foto, um momento de tranquilidade, mas se quer ver o que é movimento, experimente passar por aqui num sábado de Sol.

Mas felizmente toda essa história de fortalezas e prisões faz parte do passado. Hoje a Place du Châtelet é um local onde gente bonita do mundo inteiro se encontra para um bate-papo despreocupado ao redor das mesas dos cafés. Um lugar de convívio, onde a proximidade com a música, a beleza e o teatro se reflete na amizade estampada nos rostos das pessoas, onde as cadeiras dos cafés brotam nas calçadas e as caixas verdes dos bouquinistes estão ao alcance dos olhos, onde a beleza da cidade que sorri às margens do rio da minha vida não nos deixam enganar: Ici c’est Paris !

3 comentários:

Claudia Bins (Cacau) disse...

Jackson, que post incrível! Lindas fotos, belo texto... você se superou, meus parabéns!!!!!

Adoro vir aqui e reabastecer minha saudade de Paris... quero voltar! :-)

Abraço e bom findi,

Claudia

Cláudia disse...

Jack, é sempre um prazer ler o que você escreve. Maravilha de post!
Abraços,

Jackson Martins disse...

Bonjour les filles !

Muito obrigado pelas palavras. Também é sempre muito bom ver os comentários de vocês por aqui.

Um grande abraço.