9 de janeiro de 2009

Bouquinistes de Paris

Instalados na margem direita, da pont Marie ao quai du Louvre, e na margem esquerda, do quai de la Tournelle ao quai Malaquais, os bouquinistes de Paris são verdadeiros símbolos culturais da cidade.

Os bouquinistes, na minha opinião, ajudam a construir o cenário romântico e acolhedor da Paris de outros tempos que é tão marcante nesse trecho do rio Sena. Com suas características caixas metálicas verdes se debruçando para o rio, propõem a venda de livros antigos, revistas de segunda mão, cartões postais, selos antigos, velhos cartazes publicitários, fotos e até raríssimas historias em quadrinhos. Livreiros de ofício, apaixonados pela propagação cultural, seus pequenos stands são testemunhas oculares da historia de Paris.

A tradição dos bouquinistes começou por volta do século XVI, quando pequenos livreiros ambulantes começaram a surgir em Paris. Por pressão das grandes livrarias, um regulamento de 1649 proibiu qualquer tipo de “livraria portátil” e a venda de livros sobre a Pont Neuf - o principal ponto onde os livreiros ambulantes se concentravam.

No final do século XIX as boîtes de livros já se faziam presentes nos parapeitos do Sena.

Na época havia uma grande preocupação em limitar os mercados paralelos não sujeitos à censura, e os livreiros ambulantes nesse período sofreram intensa perseguição, mas acabam sendo restabelecidos como comerciantes legais sob algumas regulamentações. Em 1789 o termo bouquiniste aparece pela primeira vez no dicionário da Academia Francesa.

Livros, revistas, selos, postais, fotos... Tudo para todas as idades.

Em 1859, concessões bem regulamentadas são instauradas na cidade de Paris e os bouquinistes podem então se estabelecer em pontos fixos às margens do Sena. Em 1930 são fixadas as normas de padronização e dimensionamento das boîtes - as famosas caixas verdes dos bouquinistes. Instalados sobre mais de três quilômetros ao longo do rio Sena, os bouquinistes parisienses foram declarados em 1992 patrimônio cultural mundial da UNESCO.

As mágicas caixas verdes guardam sempre uma boa surpresa.

E os bouquinistes são mesmo muito visitados pelos parisienses - sejam cidadãos comuns em busca de leitura cotidiana ou estudantes atrás de material de pesquisa. Normalmente um bouquiniste é o primeiro destino de muitos parisienses que buscam boa leitura a preços irrisórios.

Marque na sua agenda, Joãozinho! São esses os locais onde os bouquinistes estão instalados.

Os bouquinistes de Paris têm um site bastante interessante. Nele você pode ler na íntegra diversas edições (em PDF) do jornal trimestral dos bouquinistes: Le Parapet. Algumas edições do jornal são ricamente ilustradas com fotos antigas, reunindo sempre artigos interessantes extraídos dos próprios livros e revistas que eles vendem - apenas em francês.

Para saber mais: Bouquiniste de Paris

2 comentários:

Claudia Bins (Cacau) disse...

Oi Jack,

Sigo lendo famintamente todos os posts do seu blog! Eles alimentam minha vontade de visitar essa cidade, assim, progressivamente! Chego aí dia 20 de setembro e meu caderninho de anotações já contém várias páginas extraídas das suas dicas preciosas. Que delícia! Obrigada por compartilhar tanta informação.

Jackson Martins disse...

Claudia, fico mesmo muito feliz em saber que esta gostando do Viver Paris - obrigado pelas palavras. Espero que as informações contidas no blog sejam uteis em sua visita a Paris, e que traga na bagagem otimas experiências e recordações dessa viagem. Um grande abraço!