29 de setembro de 2008

Edith Piaf

Reconhecida mundialmente, a parisiense Edith Piaf fez de seu nome um verdadeiro sinônimo de chanson française. Dona de uma voz inconfundível, ficou famosa pelo modo quase teatral de interpretar suas músicas, como a inesquecível La vie en rose, de sua própria autoria. Apesar de todo o glamour de seus tempos áureos, Piaf teve uma vida marcada por sofrimentos e tragédias.

Edith Giovanna Gassion nasceu no dia 19 de dezembro de 1915 em Paris, filha de um acrobata normando e de uma cantora de café. Sua infância foi pobre e difícil ao lado da avó, que dirigia um bordel em Bernay, na Normandia. Devido a problemas de saúde, Piaf ficou cega aos 3 anos de idade, recuperando a visão apenas anos mais tarde. Na adolescência, Piaf passou a acompanhar o pai em algumas apresentações circenses e já aos 15 anos cantava nas ruas de Paris, em praças e cafés. Nessa época, apaixonou-se por um soldado da legião estrangeira, com quem teve uma filha, Marcelle, que morreu antes de completar 2 anos de idade. Algum tempo mais tarde, depois de tentar inutilmente mostrar seu trabalho a algumas gravadoras e editoras, foi descoberta por Louis Leplée, dono de um cabaré famoso na época. Foi ele quem a iniciou na vida artística e a batizou Piaf. Na época, Maurice Chevalier se encantou com sua figura frágil e triste (fragilidade que lhe rendeu o apelido de la môme - menina).

A partir de então, com a ajuda do amigo, tornou-se a maior cantora francesa de todos os tempos. Em 1941 fez seu primeiro filme, Montmartre sur Seine, ao lado de Henri Vidal. Com o fim da Segunda Guerra, Piaf conheceu Yves Montand, com quem teve um breve romance. Juntos, no grupo Les Compagnons de la Chanson, seguiram excursionando pela Europa e EUA, sendo aclamados pela crítica e pelo público. A década seguinte foi complicada para Piaf. Em 1951, la môme sofreu um sério acidente automobilístico que deixou marcas em sua saúde. No mesmo ano ela se casou pela primeira vez, com o cantor Jacques Phill, que a trocou 4 anos mais tarde pela atriz Marlene Dietrich. Posteriormente, conheceu o pugilista Marcel Cerdan, tido como o seu grande amor, que morreu pouco depois em um acidente aéreo. Sua vida pessoal se tornou tão notória quanto suas canções. A bebida e os seus muitos romances contribuíram para aumentar o assédio por sua vida particular. Seus últimos 5 anos vida foram terríveis - os problemas de saúde aumentaram, obrigando-a a ser internada e operada várias vezes. Em outubro de 1962, ela casou-se com o cantor grego Theo Sarapos, 23 anos mais jovem. O relacionamento durou um ano, até a morte de Piaf no dia 11 de outubro de 1963, aos 47 anos.

No ano passado estive diante da casa onde nasceu Edith Piaf. Na verdade, ela nasceu na fria calçada de pleno inverno, sob o poste de iluminação pública defronte a casa de número 72 da rue de Belleville. Mas vi que infelizmente a Belleville da época de Piaf há muito se perdeu. Hoje o bairro abriga o maior número de imigrantes chinêses radicados em Paris, e a rue de Belleville está completamente descaracterizada - nela, uma infinidade de estabelecimentos comerciais com letreiros escritos em alfabeto chinês tomou conta do lugar, me trazendo um sentimento confuso. Um tanto dolorido até. Difícil de explicar. Mas a placa que ostenta o que restou da casa triste de número 72, não deixa espaço para dúvida: Ainda estamos sob o céu da minha amada Paris.

Sous le ciel de Paris s'envole une chanson, hum hum... Elle est née d'aujourd'hui dans le coeur d'un garçon...

video

No video, imagens de Edith Piaf em 1959 interpretando Mon manège à moi (tu me fais tourner la tête).

3 comentários:

Anônimo disse...

Caro,

Passarei o mês de outubro em Paris. Em minhas pesquisas não encontro um local onde ouvir Piaf. Você tem alguma sugestão?

HELIO JR

Jackson Martins disse...

Helio Jr, peço que me desculpe pela demora em responder seu comentario.

Para ouvir as canções de Piaf em Paris não conheço lugar melhor que o Bar Edith Piaf, no 20ème. O lugar é bastante simples e fica um tanto afastado do centro, mas a musica vale a pena. Anote:

Bar Edith Piaf
22, Rue de la Py (fica a duas quadras da estação Porte de Bagnolet do metrô linha 3)

Anônimo disse...

Estou indo para Paris agora em março e sua informação vai ser muito util para mim.Com certeza vou conhecer esse ber. Obrigada